10 anos de Só Angola






Neste ano completo 10 anos com o grupo Só Angola e quero dar meus sinceros agradecimentos a todas as pessoas que de alguma maneira contribuíram nesta trajetória, pois carrego na bagagem um pouco de cada pessoa, de cada momento e de cada experiência vivida com vocês.

10 anos não é muita coisa no mundo da capoeira, mas é uma fase inicial que se completa. Entre trancos e barrancos, entre alegrias e tristezas, sorrisos e lágrimas, sambas e chulas, entre erros e acertos (certamente mais erros do que acertos) ainda sigo aprendendo e trilhando meu caminho.

Esses 10 anos de grupo significam muito pra mim. Eu, que por tantas vezes desisti de coisas que comecei, consegui me manter, mesmo com os baixos da vida, na prática da Capoeira Angola e isso foi muito gratificante, uma conquista que devo celebrar com todos vocês.

O primeiro e principal agradecimento vai a meu Mestre, Mestre Vermelho, do qual nutro grande orgulho, respeito e admiração. A ele devo essa conquista, devo-lhe também satisfação, dinheiro e responsabilidade para o resto da vida.

Responsável pela minha paixão pela Capoeira Angola, sempre me deu forças mesmo nos momentos mais difíceis, sempre e se fez presente com seu apoio, com seus conselhos e seu axé. Quando entrei no grupo, estava passando por momentos emocionais muito complicados, fui abraçado e acolhido pelo Mestre Vermelho e por todo o grupo e esse apoio foi fundamental para que eu conseguisse me reerguer e descobrir na Capoeira Angola uma ferramenta e uma filosofia para a vida. Nela encontrei meu porto seguro e meu refúgio e dela nunca mais sairei.

Agradeço também aos demais Mestres e Mestras que convivi, que tiveram todos sua importância nessa caminhada.

Agradeço ao Mestre Chuluca por ter me iniciado, por me convencer a fazer meu primeiro treino na cidade de Goiás há 11 anos atrás.

Agradeço ao Mestre Goiano, meu primeiro Mestre, por ter me recebido como seu aluno e me ensinado os primeiros movimentos e fundamentos da Angola.

Agradeço ao Mestre Caçador, que foi quem me ensinou a tocar pandeiro decentemente e sempre me ensinou algo novo através de suas broncas, aulas especiais e principalmente através da observação de seus jogos, você é referência.

Agradeço a Mestre Guaraná e a Mestre Leninho, pelas boas conversas, pelas vivências e pelos nossos jogos, a cada vadiação com eles era um novo aprendizado.

Agradeço aos tantos Mestres e Mestras que já tive oportunidade de conhecer e que me ofereceram um pouco de seus conhecimentos e de suas sabedorias. Agradeço portanto a Mestre Moa do Katendê, Mestre Lua de Bóbó, Mestre Bigo, Mestre Plínio, Mestre Russo, Mestre Cláudio, Mestre Peixinho, Mestre Rafael, Mestra Gêgê, Mestra Janja, Mestre Cobra Mansa, Mestre Moraes, Mestre Curió, Mestre Zé do Lenço, Mestre Rene, Mestre Lua Rasta, Mestre Jurandir, Mestre Zóio, Mestra Nani, Mestre Boca do Rio, Mestre Jegue e um agradecimento especial ao Mestre Boca Rica, que além dos ensinamentos que sua presença trouxe , sempre me acolheu e abrigou durante as visitas a Salvador e ao Forte, obrigado por tudo e por ter sido um Mestre exemplar para meu Mestre quando este ainda era apenas um de seus alunos.

O valor de cada Mestre e de cada momento com eles é inestimável e fico feliz por ter tido essas oportunidades, obrigado.

Agradeço aos angoleiros e angoleiras do grupo Paraguassú, do Mestre Jaime de Mar Grande, em especial a Sofia e Renato, pela inesquecível recepção, treinos e jogos durante minha estadia na Ilha.

Agradeço a meu Mestre de percussão Abu Bakr, ao Mestre de Samba Chula João do Boi e toda família de São Brás, salve salve Mestre Babau e Dona Nicinha.

Agradeço a Lorena Fonte, Vanessa Fonte, Rosa e Teco que também tiveram suas importâncias na minha vida e me ajudaram a firmar na Capoeira.

Agradeço a Contra Mestre Marcinha, Treinel Reges, Contra Mestre Aquim, Mestre Matoso, Nathalia, Valéria, Ana Maria, Contra Mestre Marinheiro, Pedro , Reginaldo, Danilo, Contra Mestre Alex e todos do grupo Só Angola pelo constante apoio e ensinamentos, pelos momentos capoeiristicos vividos, pelas peias e rasteiras que me deram e que me ajudaram a crescer.

Agradeço também aos angoleiros e angoleiras do grupo Calunga, do grupo Barravento, do grupo FICA-GO e do grupo Só Angola Tocantins, que também foram muito importantes em todo esse percurso.

Um salve especial também para Pimenta, Curupira, Treinel Léo, Nomade, Máh, Nati, Gustavo, Rita, Mayara Sucupira, Dieguito e Manga Rosa, em cada vivencia com vocês adquiri conhecimentos e experiências que não me esqueço até hoje.

Agradecimento especial também ao camarada Enio Sales, grande parceiro de capoeira, de estudos, de xadrez, filosofias e revoltas.

Agradeço a meus alunos e alunas em Taquaruçu, que confiaram a mim a responsabilidade de ensinar o pouco que sei e estão firmes até hoje apesar de todas dificuldades que enfrentamos.

Cada uma dessas pessoas, além de tantas outras, tiveram suas importâncias nessa caminhada, por isso minha reverência e meus sinceros agradecimentos e respeito. Que venham mais 10 anos com vocês e com os que virão, com muito axé, muita luta e muita resistência para enfrentarmos todos tempos difíceis pois os tempos fáceis não existem.

Axé e resistência Treinel Bruno Kalss


Só Angola

ê! Eu não sei como se vive Nesse mundo enganador Se fala muito é falador Se fala pouco é manhoso Se bater é desordeiro Se apanha é mofino Se come muito é guloso Se não come é mesquinho Trabalho tem maribonde Fazer casa no capim E o vento leva ela, ai meu bem Maribondo leva fim Caveira quem te matou, ai meu bem Foi a língua meu senhor Um dia tava com sede Pensava em ser ruim E eu sempre lhe dizendo Inveja matou caim Camaradinha...

M. Pastinha







8 visualizações0 comentário